Admirável mundo globalizado

Temos acompanhado de perto e com muitos detalhes o desenrolar surpreendente das consequências e dos riscos do coronavírus, tecnicamente chamado de Covid-19. A velocidade da contaminação tem sido alarmante, assim como o número de mortos. Há um esforço de todos para conter a contaminação com impactos reais na vida de cada ser humano do planeta. Desde a contenção física daqueles mais próximos até a contenção de mobilidade de outros, mesmo que distantes.

Os governos e órgãos econômicos continuam mantendo estimativas alarmantes para uma retração econômica longa. O mundo globalizado está pautado em uma dinâmica da produção mais eficiente e em maior volume no melhor lugar. Essa dinâmica coloca uma dependência de todos para o suprimento global uma vez que grande parte desse suprimento está regionalizado.

A globalização, sempre tida como uma ordem irrefutável e de certa forma benéfica para todo o planeta, agora apresenta de forma mais perceptível suas fraquezas. Quando discutimos a globalização de produtos e serviços e a possibilidade de nos suprirmos das nossas necessidades de qualquer ponto da face da terra, raramente nos damos conta de que um impedimento nessa comunicação e na movimentação de materiais e pessoas podem comprometer todo o sistema.

E vamos além disso – raramente nos damos conta de que temos uma infinidade de alimentos e coisas em nossas casas que nem sabemos de onde vieram, como vieram e quem foram aqueles que produziram. A beleza da globalização nos traz essa harmonia e sonoridade da integração global. Cada um de nós representa uma conexão produtiva no mundo e tanto suprimos como nos beneficiamos dela.

Já tivemos vários outros momentos de ruptura momentânea por outros vírus que se espalharam pelo mundo, mas o que nos torna mais vulneráveis agora é que a cada ano que passa estamos mais interconectados na cadeia produtiva e de suprimentos. Inclusive as catástrofes naturais já têm tido um grande impacto global.

Apesar de futurista em relação ao ser humano, a obra de Aldous Huxley, Admirável Mundo Novo, naquela época há quase 100 anos, mostra uma sociedade inteiramente organizada segundo princípios científicos, de pessoas programadas em laboratório, e adestradas para cumprir seu papel numa sociedade de castas biologicamente definidas já no nascimento. O que ocorre é que no mundo industrial globalizado atual, já estamos vivendo algo semelhante, em um ambiente de produção que louva o avanço da técnica, a linha de montagem, a produção em série, a uniformidade. E tudo isso em uma cadeia global de suprimentos!

O que Aldous Huxley não pôde prever, e nem a nossa sociedade tem sido capaz de prever, é a pura realidade humana inserida nesse contexto. O ser humano por natureza adoece, se contamina e se compromete com o seu entorno, e nosso instinto de preservação racional nos leva a ações de contenção e cuidado.

Mesmo como toda evolução biotecnológica farmacêutica na produção de vacinas, a evolução e a mutação desses vírus [e bactérias] está acontecendo em uma velocidade enorme e nós, seres humanos, não temos sido capazes de contê-los!

Enquanto a vacina não chega até cada um de nós, individualmente, nos resta termos precaução e estarmos alertas a todo o tempo.

Texto revisto e atualizado, da versão originalmente publicada em março de 2020 no blog do autor na ACIC. Jarib B D Fogaça é sócio na JFogaça Assessoria, Diretor Adjunto na ACIC, e conselheiro independente.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.