Precisamos tirar o atraso!

Já há muito tempo se fala que o Brasil está atrasado. Seja naquilo que temos disponível em nosso mercado consumidor, seja nas técnicas produtivas básicas e primárias, seja na gestão empresarial. E podemos ir além, somos um dos países que gera os melhores jogadores de futebol do mundo e não conseguimos pagá-los, não temos riqueza no nosso futebol suficiente para retermos nossos melhores jogadores.

Há dez anos, Ferran Soriano publicou o livro “A bola não entra por acaso”, baseado em sua experiência como vice-presidente no FC Barcelona (sim, o time de futebol famoso, Barcelona) entre 2003 e 2008. Consta que nesse período, Ferran Soriano fez do clube – que estava à beira da falência – um modelo de gestão de sucesso: coordenou a transformação estrutural que tornou o Barcelona um dos mais bem-sucedidos e modernos clubes da Europa. Se lermos o título original em espanhol temos ainda melhor noção daquilo que o autor busca expor: “La pelota no entra por azar”!

Ao tomarmos alguns dos ensinamentos que o livro nos traz vemos que precisamos reinterpretar a lógica para avançarmos e tirarmos o atraso. Entender a lógica de uma indústria ou qualquer outra atividade humana (tal como a gestão política e econômica de um país) é imprescindível para participar dela com um mínimo de sucesso. Porém, se o que se quer e se busca é uma mudança, será necessário reinterpretar essa lógica existente no momento e ser capaz de encontrar uma nova compreensão.

A retomada do crescimento brasileiro inclui esse desafio, de que há uma lógica, sim, mas provavelmente não é aquela na qual a maioria acredita e, portanto, não se deu ao trabalho de descobrir a nova lógica instalada. Em um mundo tão competitivo quanto o nosso, quem ganha é aquele capaz de aplicar as novas compreensões da realidade com certa antecipação, quem muda e se adapta primeiro. Também ganham aqueles que são suficientemente analíticos para compreender a nova realidade e suficientemente hábeis e corajosos para colocar suas ideias em prática.

Vivemos um momento claro e objetivo de escolhas em nosso país, escolhas que poderão, ou não, tirar o Brasil do atraso e atrair [novamente] o interesse global pelo nosso potencial. Nosso país tem um enorme potencial econômico e há décadas carece de escolhas relevantes, impactantes e, acima de tudo, certas e transformadoras. Tal como quando se pede a uma equipe que organiza uma expedição em uma floresta e ela inicia um processo de estruturação hierárquica e funcional do grupo expedicionário. Na maioria das vezes, esse grupo costuma esquecer da pessoa mais importante da expedição e ignora a decisão mais transcendente para essa empreitada, de quem foi a decisão de iniciar a expedição e para qual floresta se deveria ir.

De maneira análoga, nos negócios e, acima de tudo, no país, decidir qual é a floresta que se quer explorar, é a primeira decisão e a de mais transcendência. Estamos em um momento de transcendência econômica no Brasil, pois certas florestas precisam ser exploradas, sob pena de nos atrasarmos ainda mais no cenário mundial e aprofundarmos essa crise com danos sociais sem precedentes.

Da intenção ao compromisso. Há uma citação atribuída ao escritor alemão Johann Wolfgang Goethe que trata da lógica do compromisso e que organiza a ideia de que depois da intenção, vem o compromisso, e que sem esse compromisso, não caminhamos, não evoluímos. Em parte, ele escreve: “Enquanto não nos comprometemos, há vacilação, possibilidade de voltar atrás. … quando nos comprometemos a “providência” também dá um passo adiante.”

Portanto, precisamos mudar agora, ou nunca! Quando alguém se encarrega de um projeto que necessita de grande transformação, nos primeiros meses se darão as melhores condições possíveis para decidir e executar as mudanças. Condições que talvez não se repitam, nunca mais.

O que nos parece é que finalmente temos tanto economicamente como politicamente uma floresta escolhida, uma intenção e, acima de tudo, um compromisso por essa exploração. É evidente que muitos ainda não compreenderam a magnitude dessa necessidade e estão vendo esse momento com uma lógica do passado, e com dificuldades de aceitar essa mudança, prospectiva.

Para tirarmos esse atraso do Brasil em relação ao mundo, a passos largos, precisamos dessa firme intenção e do compromisso inequívoco de todos, para concretização desse e de muitos outros objetivos. Precisamos da intenção, e acima de tudo, do compromisso de explorar muitas florestas a começar pela primeira.

Texto revisto e atualizado, da versão originalmente publicada em agosto de 2019 no blog do autor na ACIC. Jarib B D Fogaça é sócio na JFogaça Assessoria, Diretor Adjunto na ACIC, e conselheiro independente.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.